Páginas

quinta-feira, 12 de março de 2009

POEMA

Acorrentado em silêncio
estou nesta tarde
sem brilho e sonhos.
Os suicidios se sucedem
na ponte
ante-sala do cais,
penso
medito
cogito
e as palavras se perdem
na lingua abstrata do vento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário