Páginas

segunda-feira, 18 de maio de 2009

TOCATA VESPERAL PARA OS OLHOS DE FOLHA MINHA

Cintia Thomé a linguagem poética
fluindo sobre o dorso da tarde,
a palavra nua e crua arquiteta
fugas no areado do mar
a emoção coletando ventos
para impulsionar ondas
deste mar sem véspera
e suavizar a praia de musgos
e crustáceos.
Cintia Thomé o verso maleável
pari uma lua vermelha
numa noite em que o tempo
( verdugo de todos nós)
faz oferendas aos olhos
de folha minha.
Cintia Thomé o sonho do filho
abortado numa esquina da vida
evoca prece e resignação:
Rudy com asas de aurora
voa entre as fímbrias das nuvens
em busca de outros infinitos.
Cintia Thomé o poema completo
se esparrama sobre o ar das manhãs
de pássaros e de cantos,

Cintia Thomé poema e vida...

( Depois de reler o livro" Olhos de Folha Minha", da grande poeta contemporanêa Cintia Thomé que o Estado de São Paulo pariu para o Brasil e para o mundo.)

11 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que coisa mais bonita, Júlio. O verso maleável... Perfeita descrição dos versos de Cintia. O poema completo... Perfeita descrição da poeta, nossa Diva.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amei !!!
    Parabéns!!!!
    Conhecendo como conheço OLHOSDEFOLHAMINHA...só posso comentar que esta perfeito !!!!
    Beijos !!!!

    ResponderExcluir
  4. Uma descrição tão linda como a própria musa!!
    Um abraço
    Pukka
    (http://pukka131.spaces.live.com)

    ResponderExcluir
  5. Ela é mais que demais. Ela é diva, Julio. entendo perfeitamente o entusiasmo!;))

    ResponderExcluir
  6. Cintia a senhora dos sentimentos incrustados no arco-iris, em estado permanente de amor. Sua verve poetica tem o brilho dos cristais do coração, sedimentados com alegria e dores universais de ganhos e perdas, mas fiel aos seus princípos e formação.É plural no singular e impar entre os pares.
    São olhos de folha minha recuperando as matas siliares das metaforas, deixando os rios correrem e os pássaros agasalhados.
    Olympio de Azevedo

    ResponderExcluir
  7. Eu precisava voltar e repetir isso aqui tão bem colocado: É plural no singular e impar entre os pares. Porque é uma das amigas mais solidárias que tive e tenho.
    Olympio acerta em cheio: Cíntia agasalha todo desamparo

    ResponderExcluir
  8. Julio agradeço a sua releitura de Olhos de Folha Minha, meu livro que na verdade é como um filho, vc sabe disso...Sempre irei voando como pássaro, beijando flor, virando flor, terra, sendo montanha, mergulhar no mar, escrever nas areias, catar conchas e oferendas aos amoes que tive e tenho no coação, serei a Bela da Manhã com cuidadoarrancando uma flor e lembrar como é linda a vida, com suas perdas mais ganhos em maior número sempre
    Muito obrigado pela força, como já disse, a qual preciso nestes ultimos tempos de vácuo, de branco, de não conseguir escrever o que sentia ...mas agora já retornando....obrigado mesmo,bju

    ResponderExcluir
  9. DE(S)AMOR...


    Nenhum arrulhar seria canção
    Nenhum olhar seria para você me amar
    Nenhum ruído faria encantar
    Estaria eu a cair dos beirais
    Não voaria a buscar
    Meus braços voariam a você
    Engulo soluços desse Desamor
    A céu aberto
    Ah! Rouxinol!
    Decretaste o fim das minhas asas
    E me sinto em nadas
    Um quieto passarinho
    Num telhado quente
    Solvente que me dilui
    A um último triste sol
    A um vão do pensamento
    De saudade
    Onde raios agasalhavam
    O que foi ninho
    De Amor


    Cíntia Thomé

    OFEREÇO COMO APREÇO AO AMIGO....

    ResponderExcluir
  10. Caro Amigo, lá em meu canto
    uma Tocata...
    Estarei ausente por um tempinho
    recompor energias preciso e depois
    trarei , com certeza, a verdadeira poesia
    que faço...
    Sempre Obrigado
    Bom carnaval aos seus.


    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  11. Salve,Orquídea Selvagem de Henry Ford,Salve!

    ResponderExcluir