Páginas

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

POEMA PARA MULHER AMADA

( para Jude olhando a tarde )
De tua aura candente saem dois sois
que amornam as vértebras da manhã
e derramam luz e calor nestes campos
de margaridas prenúncios de primavera,
de tua boca lubrica caem, em catadupas,
enigmas que tento decifrá-los
sobre os escombros da tarde já matizada
de poente,
da arquitetura geométrica dos teus olhos
saltam duas luas que ferem liricamente
a noite deixando uma cicatriz imensa
de luz no território noturno da cidade,
enquanto tuas mãos, em gestos prontos,
molhadas de orvalho e matizadas de arrebol
esperam a manhã renascer para tecer fiapos de sol.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O SOL DOS TEUS OLHOS


O sol saía da paisagem dos teus olhos e alimentava de luz os labirintos da cidade e a amanhã descansava na plenitude do teu colo morno. O tempo flambava os grãos das horas na circunferência inanimada dos relógios, enquanto pousado na varanda, um pássaro quebrava a vertigem do silêncio com seu canto metálico. Teus cabelos espalhavam cachos reluzentes no ar do instante seminal e tua boca cálida fabricava sorrisos. Tudo... apenas um sonho.