Páginas

sábado, 23 de maio de 2015

A NOITE

A noite chegou sem avisar
e foi logo entrando na casa
capciosa e arbitrária inundou
o quarto de dormir e sonhar
de tedio e sombras.
Vindo da rua um vagalume
atordoado entrou na sala
e tentou iluminar o meu silêncio.

SOBRE TRISTEZA


Tristeza não é um estado de espírito sem fim/ é uma opção que gravita em nós/ e quando eu quero mando a tristeza para bem longe de mim/.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O MITO DE PÉNELOPE



O tear desfia
os finos fios de lã das rocas
urdindo a trama desejada,
com as mãos e as agulhas ágeis
Penélope faz e desfaz
o silêncio da espera.

POEMA



O pássaro plana em ultimo voo
rasando as copas dos ipês
nos estertores da tarde,
o sol-posto desbota o poente
e os ventos sopram sem alarde
coreografando o balanço das folhagens,
vindo do rio a noite invade
essa varanda de pássaros
caiada de sombras álgidas
enquanto um pedaço de lua
tenta clarear o universo das ruas
infladas de angustias e desenganos.
Sol-posto, sol morto
 eu comendo morangos.

 

O AMOR

O amor é uma viagem ao mundo onírico dos sentimentos castos.

domingo, 17 de maio de 2015

OS OLHOS

Os teus
olhos
amavios
são
afluentes
do rio
do meu
desejo.

terça-feira, 12 de maio de 2015

AEROPORTOS


Nos aeroportos
de noturnos ares
velhas aeronaves
 descansam em frota
 suas asas metálicas
  cansadas de antigas rotas
  na solidão dos hangares.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

ARAR E SEMEAR


É preciso arar todos os dias a lavoura do amor e semear a decência  para que o mundo seja melhor. É necessário que tomemos nas mãos a ética e a liberdade e saíamos pelo mundo construído um novo amanhã isento de vilania, ódio e corrupção e pleno  de virtude e esperança.   

ROTEIRO SENTIMENTAL DE PARTIDA


Se quiseres partir, parta com o sol da manhã
coloque um chapéu de sonhos em sua cabeça
calce suas velhas sandálias  de tempo
e siga pelos caminhos da primavera
leve consigo uma flor qualquer
ela conhece os caminhos das pedras
e sabe onde o amor medra.
E quando os teus pés se cansarem  de distancias
descanse sobre uma pedra e peça os pássaros do caminho
que entoem suas sinfonias dodecafônicas
para suavizar tua caminhada pelas arestas do mundo,
e se optares  pelos caminhos do mar
enfune as velas de tua barca onírica peça aos ventos
que soprem levemente para que as ondas  não maculem
o roteiro de tua viagem
e se lembre que sempre haverá um cais, um porto
onde poderás baixar as velas de tua barca,
só uma coisa te peço que, por favor, não apague
os vestígios de minhas mãos na cálida paisagem do teu corpo.



domingo, 3 de maio de 2015

CANÇÃO



Germinando no silêncio do jardim
um crisântemo espera o nascer do sol
para  abrir suas rutilas pétalas
no ar pleno da manhã que vai raiar
enquanto o sereno da noite
orvalha  um canteiro de girassóis
que continuam girando, girando
( mesmo sem a presença ainda do sol)
ao sabor dos ventos noturnos.