sexta-feira, 15 de abril de 2011

CAVALGADA




Cavalgo teu corpo sensual e ameno
pelas latitudes da excitação desmedida.
Saindo dos teus olhos serenos
vejo um misto de brilho e ternura
a contaminar de cio o instante lúbrico,
iluminado pela luz tenue do quarto
teus seios brancos túmidos e castos
captam meu olhar agudo e excitado
enquanto minhas mãos naves
imaginárias e em gestos delicados,
circudam a orbita dos teus mamilos,
e nestes instantes, doce amada,
pressinto profundas mutações
na arquitetura do tempo
eu sinto isso todas as noites
em que habito o vertice de tuas coxas.

sábado, 9 de abril de 2011

POEMARIA



Na tarde de musgo

enxaguo velhas

miragens

coladas nas retinas

dos meus olhos

inquietos,

retiro o silencio

do quarto onde avalio

e enterro meus pecados,

e lá fora o sol de outono

fertiliza gerânios

e cresta as sombras

de tua ausência, Maria.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

GODOT


Continuo esperando

como uma sombra

como um vulto

sobre essa pilha

de cadáveres

insepultos.


PÁSSAROS

Ontem na clara manhã de julho vi casais de alegres  sanhaços bebendo sol nas grades do meu terraço.