quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

POEMA

Na noite quente
de verão acêso,
a cidade ardente
apaga os vestígios
do dia e nos jardins
pingos de chuva
lavam as pétalas
viçosas do malmequer
e lá no alto
uma lua nua
rege a dança das marés.

DE SOMBRAS E TEMPO

Essas sombras margeando as trilhas dessas galaxias subterrâneas, as horas limando as moléculas do tempo deprimem o instante seminal enqua...