Páginas

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

MINÍMO NOTURNO PARA A CASA


Ao lado da praça
a casa dorme
no silêncio tumular
de seus porões
na penumbra
saturada de tempo
de seus corredores
na arquitetura
de suas janelas
e na recordação
de seus mortos.

5 comentários:

  1. Quanta história
    guardam as paredes...

    Bonito poema!

    Um beijo,
    doce de lira

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Renatinha seus comentários são .upinamente importantes para mim.Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Julio

    Casas antigas sempre me impressionaram, desde menina. As com porões e sótãos, principalmente. E as ruínas. O sentimento do tempo mora nestas casas.

    beijo, bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. Imagem e poema lindos. A casa de janelas abertas, o passado a ventilar. Gostei muito do seu blog; eu diria: blog classudo!!!!

    Seu comentário ao meu poema erótico me deixou feliz da vida.( Ainda mais sabendo quem você é.)


    Neusa Doretto
    http://poesiarapida.blogspot.com
    [

    ResponderExcluir