Páginas

terça-feira, 10 de novembro de 2009

ESCULTURA

Os anos andam marcando
no meu rosto adusto
essas sendas indesejáveis
( rugas & flacidez)
e na arquitetura do tempo
esculpem na minha pele,
a escultura da velhice.

3 comentários:

  1. O tempo faz isto com todos, indistintamente. Sabe, eu poderia ter escrito este poema... Sinto-me exatamente assim, depois do meu último aniversário. Ai, ai... Mas o tempo não é de todo vilão. Ao mesmo tempo que esculpe, lapida... Estes teus poemas sobre o tempo, são teus melhores poemas, Julio. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Querida poeta seus comentários são importantes para mim.Continue com eles sobre a minha poesia, elas me animam a prosseguir.Abraço do amigo.

    ResponderExcluir
  3. Do pouco que li,
    observei que aprecia
    falar do tempo
    e da arquitetura.

    São temas, de fato,
    fascinantes...

    Um beijo.

    ResponderExcluir