domingo, 15 de novembro de 2009

ODE PARA DOUGA, A AMADA

O abrigo dos teus braços
me acolhe quando o frio
tenta congelar meus ossos
e anuviar meus olhos
e as tuas mãos tépidas
( forja de meiguice e calor)
se prestam a aquecer
meu rosto gélido
e as palavras mudas
que caem dos teus lábios
desvendam os segrêdos
dos subterrâneos do teu amor.

2 comentários:

DE SOMBRAS E TEMPO

Essas sombras margeando as trilhas dessas galaxias subterrâneas, as horas limando as moléculas do tempo deprimem o instante seminal enqua...