sábado, 14 de novembro de 2009

LEGADO

Depois da corrida dos anos
sobraram apenas em mim
restos de magoas sazonadas
estafa irremediável do corpo
cabelos inaugurados de inverno
trilhas de desencontros
e o môfo dos porões
da casa onde nasci.
Na varanda da memória
restou indelévelmente
a velha flauta do meu avô
que tirava do pó do tempo
a nota exata da canção
que nos embalava
nas noites de verão.

2 comentários:

  1. O dia de hoje é tudo que temos, Julio. Precioso legado. E é preciso vivê-lo. As lembranças devem ser bálsamos, como o som desta flauta...

    Sempre tão bom te ler. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo!

    Ainda bem que a memória nos alivia, com lembranças e legados.

    Parabéns!

    Abraços

    Mirse

    ResponderExcluir

DE SOMBRAS E TEMPO

Essas sombras margeando as trilhas dessas galaxias subterrâneas, as horas limando as moléculas do tempo deprimem o instante seminal enqua...