Páginas

sábado, 14 de novembro de 2009

LEGADO

Depois da corrida dos anos
sobraram apenas em mim
restos de magoas sazonadas
estafa irremediável do corpo
cabelos inaugurados de inverno
trilhas de desencontros
e o môfo dos porões
da casa onde nasci.
Na varanda da memória
restou indelévelmente
a velha flauta do meu avô
que tirava do pó do tempo
a nota exata da canção
que nos embalava
nas noites de verão.

2 comentários:

  1. O dia de hoje é tudo que temos, Julio. Precioso legado. E é preciso vivê-lo. As lembranças devem ser bálsamos, como o som desta flauta...

    Sempre tão bom te ler. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo!

    Ainda bem que a memória nos alivia, com lembranças e legados.

    Parabéns!

    Abraços

    Mirse

    ResponderExcluir