segunda-feira, 2 de março de 2015

POEMA

O sol em sua vertigem de fogo
liquidifica a tarde onde os minutos
assalariados das horas contam
as espigas do tempo
e os ventos anarquistas e ciganos...
vergastam as velhas casas
com o pó das ruas
enquanto antigos silêncios
me acorrentam implacáveis
entre a memória e o meu abismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DE SOMBRAS E TEMPO

Essas sombras margeando as trilhas dessas galaxias subterrâneas, as horas limando as moléculas do tempo deprimem o instante seminal enqua...