Páginas

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

POEMA

Nestas horas de solidão de pedra
onde o silêncio e o tedio medram.
lugar que ainda resisto
as insurgências do tempo
colho e entendo a mudez do teu grito
E no mar proceloso um barco
carregado de sonhos e memórias invade
( sem pressa e sem ruptura )
o cais noturno da minha saudade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário