Páginas

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

A CHUVA

A chuva desabou sobre os ombros da tarde
as solas de minhas sandálias pisavam
na umidade das calçadas degastadas,
um pássaro de asas molhadas pousado
na cabeça de uma arvore desfolhada
sem se importar com o batismo da chuva
e na sala de espera do tempo
os ponteiros dos relógios, acúleos de aço.
decapitam as horas enquanto um sol
de raios languidos tenta conter o ímpeto da chuva.
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário