Páginas

terça-feira, 14 de junho de 2011

A MEDIDA DO SILÊNCIO

O poema escala as escarpas da tarde,
o sol penetrando na lavoura da cidade
semeia gerânios e anturios
ciranda de ventos outonais brincam
de desfolhar as árvores do bosque
e o silêncio em sua medida de tempo
percorre as trilhas das horas
entorpecidas pelo calor
enquanto os dias implacáveis
esculpem rugas nas latitudes
do meu rosto.

3 comentários:

  1. Hey, tuas paisagens ppoéticas me alongas, alisam as rugas do viver.

    Um beijo, boa noite, bom dia.

    Carmen.

    ResponderExcluir
  2. Carissimo, sempre te leio no meu reader, mas as vezes, como agora, preciso vir até aqui apenas para afagar meus olhos. bacio

    ResponderExcluir
  3. as trilhas das horas são caminhos sem volta...cada folha que dança mais um vento que passa também

    Lindo poema....
    Grande Abraço Poeta

    ResponderExcluir