terça-feira, 31 de agosto de 2010

FRAGMENTOS DE UM DISCURSO POÉTICO


Eu te queria viva e não morta para que teus poemas soltos
pudessem invadir ruas e avenidas e mostrar as elites
o enorme tumor social que carcome as vísceras
dos desválidos da vida e não da sorte,
eu te queria viva e não suicida para que teu discurso poético
fosse ouvido pelos que fabricam as dores do mundo
que tuas palavras as vêzes caústicas e as vêzes malditas
penetrassem nos tímpanos surdos dos governantes do dia e os despertassem
do sono letárgico que se encontram dormindo em berço esplendido,
finalmente te queria viva e intensa capaz de suavizar, com teus poemas
carregados de sentimentos, revolta e esperança, a vida dos que vivem
soterrados no lôdo e na merda das periférias abandonadas
comendo as raspas dos banquetes nababescos
dos bem-aventurados do capitalismo selvagem e do parasitísmo estatal.


( a memória da poeta Ana Cristina Cesar (foto) . Ana sucidou-se em 1983)

5 comentários:

  1. Também a queria viva... uma pena para nós.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Sim, eu também...mas com estes fragmentos a temos sempre em prsença!

    Um beijo Julio.

    ResponderExcluir
  3. Acho que a vida tem lá suas formas e sempre encontra um meio. Acho que vc encontrou um meio. bacio

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Lara, Silvia e Lunna. Lunna nãp entendi o comentário.

    ResponderExcluir
  5. Como disse Armando Freitas Filho, Ana Cristina queria "pegar o pássaro sem interromper o seu vôo".

    "Tu queres sono: despe-te dos ruídos, e
    dos restos do dia..." Nem precisava ter escrito mais nada... um beijo, Julio.

    ResponderExcluir

EXORDIAL

Manhã plena de sol. Ventos ligeiros balouçam as copas dos Ipês plantados nas avenidas da Fortaleza Bela, promovendo um artístico balé de co...