Páginas

sábado, 24 de abril de 2010

POESIA MARGINAL


pássaro/eu


o vôo aerodinâmico sobre a copa das árvores reunidas
é necessário e belo de se ver
(mas a ansiedade do meu coração não é percebida)
apenas me atenho a amarrar meus sentimentos
na morna e bonançosa enseada do teu ventre
e esqueço minhas palpitações e lamentos
na mansidão dos teus seios após o banho.

5 comentários:

  1. Há voos maiores que sair do chão, e pousos em seios - fortalezas.

    Beijo, bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. Que bom regaço para amarrar os sentimentos, Júlio.

    Que bom poema.

    Um beijo amigo.

    Carmen Silvia Presotto

    ResponderExcluir
  3. Voo prenhe de lirismos incessantes e ressoantes, chegou até aqui! belo poema.

    ResponderExcluir
  4. Marginal? Que nada. Doce que só... Bonito demais, Julio. Beijo.

    ResponderExcluir
  5. adriana bandeira8 de maio de 2010 11:51

    Oi Julio
    belíssimo!Marginal pq é do amor a virtude da margem, onde o olhar não deixa somente estar.
    beijo

    ResponderExcluir