terça-feira, 20 de abril de 2010

JERICOACOARA BLUES


A pedra furada furou o acetinado
da paisagem marinha onde o mar
na sua constante exasperação
conduz ( rebelde) milhares de conchas
sacudidas de espumas e sal
para plenamente ataviar a praia,
e um vento arisco atiça solene
as cabeleiras arenosas
de dunas e falésias enquanto o sol
da tarde de Jericoacoara desmaia.



(Jericoacoara-Ce,abril/2010)



6 comentários:

  1. Talvez o acetinado azul tenha furado a pedra... Lindo, Júlio. Bjo.

    ResponderExcluir
  2. sim e sigo, Poetas...furado a pedra para se embalar entre espumas e sal e maritimamente chegar até nossos entardeceres.

    Um beijo amigo e companheiro.

    Carmen Silvia Presotto

    ResponderExcluir
  3. ...também furou o céu azul!

    Lindíssimo poema!

    ResponderExcluir
  4. Num cenário desses a inspiração deve se incorporar mais fácil. Não conheço o Ceará! Pena. Mas conhecerei. A pedra de Jericoacara teve bom tributo. O que ela furou, fura ou o que a furou, ah, isto é o que fomenta a poesia.
    Abraços, Julio.

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    link: www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Lindas imagens que vêm das tuas letras, Julio.
    Incrível a poesia do entardecer traduzida por você. Deu vontade de presenciar o desmaiar do sol em Jericoacoara.

    Beijoca

    ResponderExcluir
  6. Deslumbrante!!!

    Eu tenho verdadeira paixão por este lugar...

    beijos meus

    ResponderExcluir

PÁSSAROS

Ontem na clara manhã de julho vi casais de alegres  sanhaços bebendo sol nas grades do meu terraço.