Páginas

sábado, 21 de maio de 2011

POEMA



As sombras se aglomeram
sobre a extensão do alpendre
um vento sibilante, em acoite,
levanta a poeira dos anos
acumulada no quintal da casa
súbito o relógio das horas
capta em seu sonar de tempo
vestigios da noite.

2 comentários:

  1. Teus versos me fazem ver o quanto estou habitada de sombras... te leio, chego ao ponto, espanto as memórias e vou atrás do sol.

    Um grande beijo, boa semana.

    Carmen.

    ResponderExcluir