domingo, 19 de setembro de 2010

IV ODE Á AMADA




Teu corpo nu á luz do quarto
exala odor de femêa no cio.
Habito teu corpo
(como a pérola a ostra)
e me sinto a cada instante
envenenado pela ternura
que vem dos teus seios
agressivamente poéticos
e me perco na enseada
do teu ventre ávido e morno.

2 comentários:

  1. A geografia de um corpo são grandes labrintos poéticos...parabéns e bom domingo, Poeta.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Lindo este poema, Julio, como todos da série. Já disse que estes poemas à amada merecem um livro, não é? São de uma ternura encantadora. beijos!

    ResponderExcluir

PÁSSAROS

Ontem na clara manhã de julho vi casais de alegres  sanhaços bebendo sol nas grades do meu terraço.