Páginas

sábado, 27 de fevereiro de 2010

ÁRIA DE SOL



Inauguras a tarde
com teus olhos claros de mar.
Vestidas de sol tuas mãos
( em gestos mágicos)
regem a sinfonia dos ventos
que teimam em varrer a pele das ruas
e respingos solares desgarrados
engravidam tenras roseiras.
De repente uma chuva estival
desaba sobre a cidade
como querendo lavar-lhe os pecados,
enquanto solitária procuras
na intimidade do jardim
(entre flores molhadas)
fiapos de sol.

4 comentários:

  1. Bela poesia, linda imagem passada nessas palavras que, juntas a foto, formaram um casamento poético perfeito.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Lindíssimo, um devaneio só, um casamento de/na natureza.

    Beijos, ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Título forte, que nos captura para devaneios para além dos seus versos. Agradável construção de palavras, para se pensar enquanto suspira. Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  4. Caro poeta Júlio, um grande abraço!
    Lá do Verso & Prosa pulei pra cá. Lí um monte de poesias, gostei de todas. Sua leitura é muito leve, muito fácil, gostosa... Acho que a verdadeira poesia é "isso aí", sem frescuras ou pedantismo, sem as constantes tentativas de esbanjar cultura como vemos a todo instante, quase sempre incompreensível ou indigesta.
    O seu trabalho é como água límpida, fresca, boa de se beber... Parabéns!

    ResponderExcluir