Páginas

terça-feira, 2 de março de 2010

UM POEMA DE SANDRO NINE


TEMPO DE DESPEDIDA


Eu queria andar pela água
como aquele velho homem triste
que pagou pelos meus pecados
com dor e alguns trocados.
Paguei as promessas
e passei á noite amando você
mas abandonei os meus sonhos
e apaguei os meus rastros
mais rápido do que um trem.
Eu vou andar pela chuva ácida
procurando a mim mesmo
andar por milhas e milhas
seguir as setas e placas
até minha memória desaparecer.

6 comentários:

  1. Que belo poema, Júlio. Nunca havia lido nada de Sandro Nine. Lembra os teus poemas. Gostei muito. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Bonito mesmo, e comovente.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Sandro Nine é meu filho mais velho ele reside atualmente na cidade de Boa Vista, Roraima. Ele tem uma variante poética ao estilo Charles Bucowiski e Allen Gisberg. Poesia eminentemente marginal ou beat. Ele andou também pelo Overmundo, produzindo pequenas crônicas e poemas.

    ResponderExcluir
  4. Ele resgata sentimentos verdadeiramente antigos e nunca esquecidos. Não teria como ser póstumo.

    ResponderExcluir