Páginas

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

OS ESTATUTOS LIVRE DA PALAVRA-POEMA


Espero que a palavra - poema saia de seu casulo de silêncio, invente asas e viaje pelas latitudes do mundo, levando as sementes do amor e da paz espalhando-as pelas lavouras da vida e que em certos momentos se transforme em vergasta, relho impiedoso e faça zurzir, profundo, na pele daqueles que fabricam as dores do mundo. E que a palavra-poema arda tal o fogo e creste as insensibilidades dos que, com ambição e torpeza, poluem mares, rios, lagos, sufocando peixes, oleando praias e destruindo a natureza. Que a palavra- poema nasça e renasça todos os dias e combata com firmeza os que atentam com os preceitos da liberdade. Finalmente que a palavra- poema cumpra o que sua essência visceral comporta e que esteja sempre acima dos poderosos ainda que débil, ainda que morta.

Um comentário: