Páginas

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

MINÍMA ODE NOTURNA


O silêncio urde
os insumos da solidão,
na varanda uma lua
acetinada em gestação
espera o sol chegar
trazendo a aurora
enquanto o tempo rebelde
regurgita as horas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário