Páginas

quarta-feira, 10 de junho de 2009

TENTATIVA DE POEMA PARA ERNESTO PENAFORT

Tua carpintaria poética
recuperava velhos sonhos
onde o tempo e memória
se fundiam e tuas mãos
calosas de auroras
fabricavam poemas
azuis pejados de esperanças.
Lendo os teus versos
revisito a infância
desço os degraus
da adolescência
mergulho nas aguas
azuis e mansas dos regatos
esquecidos e me invento alado
e tal um pássaro onírico
pouso suave nos andaimes
de cristal dos ocasos mortos
das tardes outonais
da Manaus esquecida.
Um dia, poeta amigo
quando o silêncio
acorrentar minha voz
e quandos meus olhos
deixarem de se enebriar
com o nascer das manhãs
e com a policromia
do por-do-sol,
nos encontraremos
( silentes)
no bojo azul de alguma lua
amanhecida.

( Ernesto Penafort foi um dos maiores poetas amazonense da geração madrugada. Faleceu no vigor da idade e de sua produção literária. Era conhecido como o poeta do Azul.) Os seus livros mais conhecidos são: "Azul Geral" e "Do Verbo Azul".Boêmio, era uma espécie de Paulo Leminsky da Amazônia).

2 comentários:

  1. A tua "carpintaria poética" produziu mais uma peça artesanal rara, de beleza e valor inestimável, Julio. Trabalho de mestre. Belíssimos: poema e homenagem. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Nydia obrigado pelos comentários.Um abraço no Bono.

    ResponderExcluir