Páginas

sábado, 12 de novembro de 2011

O POEMA

O poema desgarra-se de mim
impávido e resoluto divorcia-se
dos meus intentos vivenciais,
inventa outono no território do verão
acalenta o plácido coito dos amantes
matiza o corpo virgem da manhã
evoca a leveza dos jardins
na contemplação dos tecidos do dia
voeja pelas dimensões do tempo
desce as inclinações do sol
descreve a geografia do silêncio
rompe a solidão do alpendre
e pousa suavemente casto
na arquitetura cálida e sensual
dos teus seios brancos e castiços.
O poema jamais voltará para mim.

3 comentários:

  1. ''O Poema'',simples e belo desgarrado do poeta,agarrando quem por ele passa!!!<3

    ResponderExcluir
  2. Sempre fico a ler calmamente esses versos e suas entrelinhas
    releio e passo a cada hora entende-lo com todas as nuances da paixão que um porta tem pela palavra...é exímio em doar-se. Doa-se palavras e sempre a deixamos perdidas ao gosto do sal...
    gde beijo
    Cintia Thomé

    ResponderExcluir
  3. O poema é esta viagem sem volta sempre, porque mesmo quando nos debruçamos novamente sobre eles, sentimos que já somos outro no tempo...

    Um beijo grande, poeta querido, bom estar aqui. Saudade!!

    carmen.

    ResponderExcluir