Páginas

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A COR DO OLHAR

O olhar se perde no vácuo
das horas.
Polimorfos os raios solares
( semi-opácos)
não penetram na cortina
de neblina que embota
de cinzas e névoas
os labirintos da cidade.
Nada de novo
nestes dias frios
e grisalhos,
apenas uma andorinha
em garras tenta inventar
em vão, o verão
no território do inverno.
E no brilho dos teus olhos
vestígios de mar.

4 comentários:

  1. Com neblina se faz poemas tão reluzentes como este seu - belíssimo.

    ResponderExcluir
  2. O olhar fala mais que mil palavras. Para mim um olhar são palavras proferidas silenciosamente e dele se extrai muito...gostei deste seu olhar: "A cor do Olhar". Bjo

    ResponderExcluir
  3. Uma andorinha, entre versos nos indicam um olhar intenso, que voa, que ama e que busca colorir o grisalho tempo das horas mormacentas de ocasos...

    Um beijo, poeta amado, saudade e sempre carinho.

    Carmen.

    ResponderExcluir
  4. Já não andam por aqui as andorinhas,a neblina isntalou-se e esconde do olhar que espreita através dela um verão por inventar!!!
    Fascinante a ''cor''do olhar de um poeta''a cor do seu olhar''meu amigo!!!
    Aquele abraço aqui de Portugal

    ResponderExcluir