Páginas

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

POEMA

A noite
de ruídos
e latidos
soçobrou
ao pêso
e dominio
da chuva
torrencial.
E na plangência
do velório
havia no olhar
do morto
uma manifesta
reprovação
contra a vida.

5 comentários:

  1. Que noite, que olhar...E que poema!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. sabes, se eu tenho a idade que tenho e vou-me soltando tu és bestial.
    parabens amigo julio e já agora obrigado pelo comentário no meu blog

    ResponderExcluir
  3. Caro Júlio,
    coloquei-me como seguidor.
    Seus textos são excelentes. Bom conhecê-los.
    Abraços,
    pedro

    ResponderExcluir
  4. Belissímo poema! Vou tomar a liberdade de postar mais uma seleção de seus poemas no Poesia Diversa. Um abraço.

    ResponderExcluir