quinta-feira, 21 de junho de 2012

POEMA PARA MANUEL DE BARROS

Gaivotas banhadas de sol
não grafitam as areias da praia
e o menino descobriu
que o céu não tem fundo
e que as horas são os graus
da vida.

Um comentário:

DE SOMBRAS E TEMPO

Essas sombras margeando as trilhas dessas galaxias subterrâneas, as horas limando as moléculas do tempo deprimem o instante seminal enqua...