Páginas

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

EM VÉSPERA DE OCASO

( aos meus amigos de Lisboa)

Nesta tarde de chuva e ócio
com minhas mãos pejadas
de polen de flores suicidas
tento segurar o silêncio
numeral da varanda
e no instante em construção
deixo que as horas sejam
apenas metáforas do tempo
e que as folhas das arvores
desenhem a música do vento
no verde de suas essências
e arquitetem ares de outono.
Olhando os grãos da chuva
saturando os velhos telhados
espero na sutileza do alpendre
( enquanto a memória engole
os gomos do passado),
os pássaros afinarem
seus doces e derradeiros flautins
para a celebração do pálido
acontecer de ocaso.

Um comentário:

  1. Júlio meu amigo,muito bonita esta sua ''véspera de ocaso''dedicada aos amigos da velhinha namorada do Tejo a nossa Olisipo,a língua de Camões de Pessoa,de Machado de Assis ou Carlos Drummond de Andrade,tem que ser muito feliz por ter pessoas que a tratem desta forma e lhe conjuguem os verbos fazendo conjugações poéticas perfeitas e apaixonadas!!!
    Bem haja

    ResponderExcluir