Páginas

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

CAIS DO SODRÉ

No último instante da tarde
a cidade abraça-se com o rio
(que ama, devota e quer)
Lisboa tem a cara do Tejo
e o Tejo tem a cara do mar
descendo as ladeiras sombrias
a noite avança impetuosa e fria
sobre o Cais do Sodré.

Lisboa/ setembro/2011

3 comentários:

  1. Que prazer poder ''saborear''palavras assim ditas e sentidas!!!Visitei o seu blogue e fiquei fã,hei-de-lhe voltar vezes sem conta sempre que sentir vazio na alma ,pois não há mais belo elixir para preencher uma alma do que palavras!!!

    ResponderExcluir
  2. Hey, meu amigo que bom passear em Lisboa de mãos dadas com tua poesia.

    Um beijo grande, sempre carinho.

    Carmen.

    ResponderExcluir
  3. Deve ser linda a "Terrinha". Morro de vontade d conhecer.
    Sou brasileira mas bisneta de portugues.

    Delícia esse Cais do Sodre!
    beijo, Júlio!

    ResponderExcluir