Páginas

sexta-feira, 15 de abril de 2011

CAVALGADA




Cavalgo teu corpo sensual e ameno
pelas latitudes da excitação desmedida.
Saindo dos teus olhos serenos
vejo um misto de brilho e ternura
a contaminar de cio o instante lúbrico,
iluminado pela luz tenue do quarto
teus seios brancos túmidos e castos
captam meu olhar agudo e excitado
enquanto minhas mãos naves
imaginárias e em gestos delicados,
circudam a orbita dos teus mamilos,
e nestes instantes, doce amada,
pressinto profundas mutações
na arquitetura do tempo
eu sinto isso todas as noites
em que habito o vertice de tuas coxas.

2 comentários:

  1. Um tempo arquitetado com amor é sempre poético, e neste cavalgar viajamos junto ao vento dos sonhos que te habitam.

    Um beijo grande e bom entrar aqui para seguir viagem contigo, boa semana!!

    Carmen.

    ResponderExcluir
  2. Adoro que calvaguem em mim !!!

    ResponderExcluir