Páginas

domingo, 27 de junho de 2010

INTRODUÇÃO AO PASSADO( para o poeta Sandro Nine)

Na velha cadeira de embalo
o olhar fixado na parede
onde degastada se postava
a fotografia dos mortos,
olhou pela vidraça quase
embaçada e viu a tarde
caminhar para os mistérios
da noite vindo do rio,
e neste instante sentiu
a saudade doer-lhe nos ossos
e subitamente surgiu no pasto
da memória rebanhos
de antigos remorsos.

7 comentários:

  1. Julio!

    Surpreendente o final...os remorsos.

    Belo poema!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Julio, "da memória rebanhos/ de antigos remeorsos", mexem e remexem com nossos sentimentos, gosto muito da holografia que são teus poemas, sempre um ponto de luz certeiro aos que te leem.

    Um beijo

    Carmen Silvia Presotto
    www.vidraguas.com.br

    ResponderExcluir
  3. Versos de calar, cada um com seu remorso, cada um em seu esconderijo de esqueletos.

    Demais, poeta!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente perfeito e que ritmo. Adorei. Não resisto, vou deixar aqui o convite para participar da revista perspectivas - edição zero de agosto com esse poema.
    Bacio

    ResponderExcluir
  5. Surpreendente... belo!!!

    Tantas imagens tão rapidamente chegando!

    abç

    ResponderExcluir
  6. quando chove no pasto seco da memória
    sentimentos afloram e como dóem... beijo, julio.

    ResponderExcluir