Páginas

quinta-feira, 9 de julho de 2015

OCASO


No fim da tarde de verão
uma nuvem pinta de branco
o sangue do por do sol...
e neste instante nasce o poema
das asas de um pássaro mudo
que desafia em voos acrobáticos
a anatomia dos ventos

Nenhum comentário:

Postar um comentário