Páginas

segunda-feira, 21 de março de 2011

DEGRAUS DO SILÊNCIO


Desço sereno os degraus do silêncio
e me refugio nas sombras do alpendre,
no alto uma lua madura pasta silente
num céu bordado de estrelas.
Na solidão das horas a arqueologia do tempo
desenterra do solo de minhas memórias
antigas miragens presas a um tempo vivido
e no instante de sonho vejo as mãos cálidas
de minha mãe acariciando o ar dos meus cabelos
ouço a voz plena de ternura de meu pai
na oração contrita antes de dormir.
Subo tenso aos degraus do silêncio
( momento de angustia e melancolia)
quando a noite lesta e calada
com seu inventário de nevoa e delírio
invade decisiva os hectares da madrugada
em busca dos clarões do dia.
( foto de Jorge Siqueira)

5 comentários:

  1. Quantas vezes também desço os degraus do silêncio e me encontro com o imaginário, com a sombra branca dos que me habitam...quantas vezes e por isso te abraço, meu amigo.

    Carmen.

    ResponderExcluir
  2. Fantástico!

    O "Silêncio" que passa ao leitor as imagens vividas no poema!

    Abraços

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. Um abraço meu amigo, bom final de semana!!!

    Carinho sempre,

    Carmen Silvia Presotto

    ResponderExcluir
  4. ...traigo
    sangre
    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    COMPARTIENDO ILUSION
    JULIO

    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...




    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE CHAPLIN MONOCULO NOMBRE DE LA ROSA, ALBATROS GLADIATOR, ACEBO CUMBRES BORRASCOSAS, ENEMIGO A LAS PUERTAS, CACHORRO, FANTASMA DE LA OPERA, BLADE RUUNER ,CHOCOLATE Y CREPUSCULO 1 Y2.

    José
    Ramón...

    ResponderExcluir