Pular para o conteúdo principal

POEMA CIRCUNSTANCIAL


O sol penetra na minha janela
com seus punhais de fogo,
enquanto vejo um cão sem plumas...
ladrar acintosamente contra o carteiro
que talvez traga noticias de Ju,
súbita a tarde desaba sobre mim
com a força de mil guindastes,
lá fora ouço rumores na porta
vou atender. Não vejo ninguém
apenas um vento desgarrado
a procura de seu rebanho.
Embriagado em silêncio, esmoreço,
e me deixo seduzir pela a maciez
deste sofá com desenhos japoneses
onde me refestelo leio um poema
de Fanny Mota e adormeço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOL POENTE

O sol já quase esmaecido 
convida para o crepúsculo.
Um pássaro pousado na varanda
trouxe em seu bico de ocaso
dois ramos de jasmim
e de repente ele soltou os pulmões
e seu canto foi tão belo e forte
que despertou o sono do poeta
que ainda mora em mim.

AMOR E PAIXÃO

Os anos que passam pelos meus olhos as vezes lerdos as vezes céleres, mas sem parar, são testemunhos da vida em suas varias dimensões. E os téus olhos são endereços da paixão apegados nas raízes do amor onde o silêncio corta as palavras ao meio e teus mamilos brancos protuberantes na camisola de seda abalam o sentido dos meus gestos.

VAMOS MUDAR!

Julio Rodrigues Correia·
Estamos próximo as eleições suplementares. E pediria aos eleitores de minha terra, o Amazonas, que fizessem uma reflexão sobre esse pleito. O Estado do Amazonas, é um estado que tem tudo para preponderar no cenário econômico do país faltam apenas escolhermos a pessoa certa para impulsioná-lo. Estamos sentado no maior banco fito-genético do mundo, temos um elemento que os próximos séculos se ressentirão, quando de sua falta, água. Nosso solo é rico em minerais, pedras preciosas, ouro e outras riquezas que ainda não foram exploradas por a inoperância de nossos dirigentes. Vamos mudar! Vamos mandar as calendas esse circulo vicioso e perverso que ousei chamar de politica do mesmo que nos dirige mais de três décadas e ainda estamos choramingando pela Zona Franca de Manaus quando poderíamos já ter construído um outro modelo de progresso paralelo ao PIM. Estamos na politica do Mesmo. Sai o Mesmo entra o amigo do Mesmo e depois volta o Mesmo, num jogo politico de faze…